Análise do padrão de variação intra e interespecifica dos genes mitocondriais COI e rRNA 16S em caramujos do gênero Biomphalaria para o uso como DNA Barcode

PALASIO, Raquel G.S.; TUAN, Roseli.

Superintendência de Controle de Endemias, Laboratório de Bioquímica e Biologia Molecular, Rua Paula Souza, 166, CEP 01027-0001, Luz, São Paulo, SP, Brasil.

E-mails: raquel.biomol@gmail.com, roselituan@yahoo.com.br.

Apoio: FAPESP, Auxílio à Pesquisa, processo 07/03458-7.

A identificação de espécies de caramujos do gênero Biomphalaria é feita por caracteres morfológicos do aparelho reprodutor. A variação natural destes caracteres provoca resultados ambíguos em função das similaridades morfológicas. O diagnóstico espécie-específico é importante para a discriminação dentre as 13 espécies neotropicais do gênero Biomphalaria daquelas que são hospedeiras intermediárias do Schistosoma mansoni, parasita que causa a esquistossomose humana. Há também um conhecimento restrito sobre a biodiversidade destes caramujos na região neotropical. Seqüências curtas de DNA mitocondrial são usadas com sucesso para a identificação de espécies, a metodologia é conhecida como DNA Barcoding. Neste estudo comparamos os resultados de amplicons de seqüências de oligonucleotideos dos genes mitocondriais COI e rRNA 16S em B. tenagophila, B.glabrata, B.occidentalis, B.straminea e B. tenagophila guaibensis para testar a eficiência dos dois genes na discriminação destas espécies, algumas com caracteres morfológicos que levam a indeterminação na identificação específica. Para comparar a eficiência desses genes na metodologia molecular de identificação taxonômica calculamos a divergência genética (d) intra e interespecífica através de Neighboor Joining utilizando o modelo evolutivo Kimura 2-parâmetros, conforme preconiza o protocolo para o uso de Bar Coding. A divergência genética entre diferentes espécies para o gene COI variou entre 8-9%, enquanto a divergência genética intraespecífica variou entre 0-2% . Para o gene rRNA16S a divergência genética interespecífica variou ente 5-7%, e a intraespecífica entre 0-5%. Os dados mostram maior eficácia do gene COI na identificação de distintas espécies do gênero Biomphalaria, inclusive nas espécies do complexo tenagophila, de alta similaridade morfológica, enquanto sequências do gene 16S rRNA oferecem melhor resolução na análise genética populacional dos caramujos.

Palavras chave: Divergência genética, análises filogenéticas, marcadores moleculares, identificação específica.