Revisão taxonômica das espécies de Cycloramphus do grupo eleutherodactylus (Anura, Cycloramphidae)

Matos, Lilian D.

Universidade de São Paulo, Instituto de Biociências, Depto. de Zoologia, CP 11461 CEP 05422-970- São Paulo – SP Brasil

ldmatos@usp.br

Apoio financeiro CNPq

A família Cycloramphidae é composta por anfíbios anuros que distribuem-se entre a região nordeste, sudeste e noroeste do Brasil até a Bolívia, Paraguai, Chile e Argentina. O gênero Cycloramphus faz parte desta família e inclui espécies associadas à serrapilheira e aos riachos encachoeirados da Floresta Atlântica, no leste do Brasil. A mais recente revisão taxonômica do grupo, realizada a cerca de 25 anos, indicou a presença de variação morfológica em Cycloramphus eleutherodactylus, a espécie com distribuição mais ampla do gênero. No entanto, diante da amostra disponível, foi impossível avaliar se tais variações eram indicativas de diferenças específicas. Para resolver a questão, é necessário um estudo mais aprofundado deste grupo de espécies. Cycloramphus eleutherodactylus encontra-se no grupo eleutherodactylus juntamente com C. diringshofeni e C. faustoi, esta última, a mais recente descrição para o gênero. O grupo caracteriza-se por pés sem membrana interdigital, franjas ou estrias, indivíduos sem espinhos no polegar e pele lisa ou fracamente granular e tímpano não visível. Estabelecer os limites específicos dentro das populações atualmente tratadas sob o nome C. eleutherodactylus é extremamente importante dos pontos de vista taxonômico, evolutivo e da conservação. As espécies do grupo encontram-se classificadas nas listas de espécies ameaçadas de extinção sob categorias de ameaça ou sob dados insuficientes. Uma melhor compreensão deste complexo é importante para se entender os padrões de diferenciação de anuros com reprodução terrestre da mata atlântica, contribuindo também para o entendimento da história deste habitat ameaçado.

Palavra chave: Mata Atlântica, Amphibia, Sistemática